A Crise e os três Presidentes

.

 

Ontem assisti na Rtp-1,  a um momento de discussão muito construtiva, àcerca da difícil situação económico/financeira em que se encontra Portugal.
Não faço referência à situação política, porque, no meu entender, ela está de saúde. A democracia funciona, com todos os cenários permitidos.
Os antigos Presidentes da República, General Ramalho Eanes, Dr. Mário Soares e Dr.Jorge Sampaio, deram verdadeiras lições de cidadania, cada um á sua maneira. Tão diferentes, mas  neste momento, tão próximos no desejo de convocar a responsabilidade, a esperança e a confiança no futuro.
Todos nós, devemos ser e estar conscientes da necessidade de uma vida mais austera. Tudo o que está a ser proposto pelo governo de José Sócrates, NÃO chega.
A despesa da máquina administrativa também é imensa e é fundamental cortar também por aí.
Mas Ramalho Eanes, pôs o dedo na ferida e veio de encontro ao que sempre foi o meu pensamento: O nível de vida dos portugueses não tem comparação com o "antes do 25 de Abril", especialmente no que concerne à criação do Estado Social, nas suas vertentes da saúde, educação,
solidariedade e segurança social.
O Estado Económico é que não foi fomentado o suficiente para gerar receitas que alimentassem o Social. Conhecemos o difícil relacionamento que os empresários sempre tiveram com os impostos.
Embora haja  empresas de sucesso, também com mágoa o sinto, que a maioria dos donos das pequenas e médias empresas, não tiveram capacidade de as GERIR.Derreteram-se lucros e esqueceram-se de investir.
Claro que tudo tem que ser visto num contexto internacional, mas todos sabemos dos desmandos cometidos com a fartura de tanto subsídio que chegou da CEE..."Dinheiro mal ganho...dinheiro mal gasto"...
Depois, as reformas importantes que não foram feitas e cujos ministros tiveram que "cair", porque os interesses instalados acabaram por ter mais poder do que quem foi nomeado para o exercer. Não falando do poder da Comunicação Social e de certos jornalistas, que às vezes, parecem governar mais do que os orgãos eleitos para tal.
A culpa desta situação não é exclusiva deste ou doutro governo.
É de todos nós.

publicado por Belisa Vaio às 20:14 link do post | comentar | favorito