1 comentário:

Eu, como boa descendente de italianos, já aprendi à muito tempo, este equilibrio das atribulações, permeadas por esse "dolce far niente"...Nunca me foi dito isso, com todas as letras, porque acho que isso eles não ensinam aos filhos, mas, como sempre fui boa aluna, observava meu paizinho, que era um homem muito trabalhador, mas que, quando batia o sol de topo na sua sapataria, largava tudo e ia pescar! (rsrsrsrsrsrsrs)!....E o sol batia lá, todo dia após as 15,00 horas....
Já, minha mãezinha, descendente de portugueses, enquanto, não se esfalfava de tanto trabalhar, não estava bom!...Nunca a vi deleitar-se num momento de preguiça, de aconchego!...Acho um pena, porque até hoje ela não se dá o direito de relaxar!
Bete do Intercambiando a 7 de Novembro de 2010 às 00:31